ondjoweb/admin/galeriafotos/postImg/8a3a932bd8f35c43186ba3ef9e76b3da.jpg

DESABAFO DE HUGO FIRMINO “PREFIRO MORRER DE PÉ, DO QUE VIVER AJOELHAD

Hugo Firmino despediu-se este sábado do Estoril Praia. Em fim de contrato, o avançado recorreu às redes para deixar um desabafo onde deixa claro que clube com o sentimento de injustiçado, deixando com que a vida e o futebol se encarreguem de mostrar quem é quem.

Chegou aos Estorilistas bem no início de Setembro do ano passado, depois de duas épocas no CD Cova Piedade, o avançado teve uma época irregular e na hora do adeus considerou que o futebol português está a passar um momento vergonhoso. “O futebol vive tempos estranhos e imprevisíveis. Tempos que aconselham a uma maior prudência, mas o que se está a passar no futebol em Portugal é vergonhoso”, começou por escrever o jogador, de 31 anos, no Facebook, manifestando não duvidar que existe dentro dos clubes pessoas com verdadeiro afã clubístico.

“Não duvido que, dentro dos clubes, haja pessoas com verdadeiro afã clubístico. Escasseiam, é certo, mas quero acreditar que existem. O futebol oferece dinheiro a ganhar a muita gente, mas o pecado da gula matou a galinha dos ovos de ouro. Na cabeça de muitos dirigentes, somos seres manipuláveis, capazes de perder a clarividência sobretudo nos momentos em que a nossa paixão pelo Futebol arde na tumba da euforia.
Nós, no cérebro deles, se não sabemos, já não contamos para nada. Enfim! A Vida e o Futebol vão se encarregar de mostrar quem é quem”, acrescentou ainda. 

Hugo Firmino lembrou de restar-lhe a amizade verdadeira dos colegas que com ele treinavam diariamente, tendo encontrado sinceridade, lealdade, afinidade, cumplicidade, simplicidade, fraternidade, qualidades que hoje em dia encontram-se em vias de extinção.

“Resta-me a amizade verdadeira dos meus colegas que treinavam diariamente comigo onde encontrei sinceridade, lealdade, afinidade, cumplicidade, simplicidade, fraternidade, qualidades que hoje em dia encontram-se em vias de extinção. A todos os que me rodearam nesta experiência, resta-me agradecer todo o apoio incondicional ao contribuírem para a minha razão de existir, sentir, agir, pensar, aprender e conhecer o Futebol. Na vida, como no futebol… Prefiro morrer de pé, do que Viver ajoelhado”, concluiu, agradecendo o clube, considerando ter sido um prazer.

Ao serviço do Estoril Praia apontou um golo em 1019 minutos, fruto de 14 jogos, em todas as competições, sendo que 180 minutos jogado pela Taça de Portugal.

author-avatar
admin

Colunista Claque Magazine desde 2017

Deixe seu comentário
VER TAMBÉM



https://claquemagazine.com/noticia-singular.php?postId=46